17 de mar de 2015

Entrevista de Nouriel Roubini à Folha

Entrevista ao jornalista Raul Juste Lores, em WASHINGTON, em 16/03/2015, para a Folha.com

DAVOS-MEETING/

Folha - O sr. disse que está "cautelosamente otimista" com o Brasil. Por quê?

Nouriel Roubini - Os investidores estão céticos porque veem fraqueza política da presidente e acham que o ajuste não vai acontecer. Assim, o real continua caindo.
Mas a presidente não tem escolha. A menos que seja irracional ou politicamente suicida, o que não acredito que seja, ela vai insistir no ajuste, como disse no discurso de domingo.

Quando o Brasil vai voltar a crescer?

Se ela fizer o ajuste agora e mudar suas políticas, terá um ano muito difícil, sem crescer ou com pequena recessão. No ano que vem será um pouco melhor, pode crescer até 1,5% e ter outros dois anos de crescimento OK.

Se não o fizer, o real sofrerá queda livre, o Brasil vai perder o grau de investimento. Ela sabe que o segundo mandato poderá se tornar um desastre.

A presidente culpou a crise internacional. O sr. concorda?

Certamente há fatores internacionais que afetam a economia brasileira, como a desaceleração global e especialmente a da China, e a queda nos preços de commodities, como o minério de ferro.

Mas a fraqueza econômica do país neste ano se deve a quatro anos de políticas macroeconômicas erradas. Monetárias, fiscais, de crédito erradas, muito frouxas.

Depois de a presidente se reeleger, ela percebeu que precisava de um ajuste difícil. Cortar despesas, aumentar receita, apertar o cinto, controlar a inflação. 2015 será um ano muito difícil. Provavelmente de recessão, com desemprego e inflação em alta.

O mercado continua cético.

Porque acha que Dilma não queria Levy, que ele foi imposto pela crise, e também acha que ela não pode corrigir seus erros.

O mercado não acredita no comprometimento, quer ação, não palavras. Mas, pessoalmente, estou mais otimista que o empresariado brasileiro.

O sr. diz que o boom das matérias primas, que tanto beneficiou as exportações brasileiras à China, esgotou-se. Como o Brasil pode voltar a crescer?

O Brasil é uma economia grande. O consumo doméstico pode crescer e a desvalorização do real pode reduzir o deficit externo.

Mas o país precisa aumentar investimentos públicos em infraestrutura, incentivar as parcerias público-privadas. O potencial de crescimento do Brasil não é grande, mas 3% seria alcançável.

No primeiro mandato da Dilma, houve algumas concessões de aeroportos e portos, mas de forma muito lenta. Imagino que Levy busque essa liberalização também. A direção é a correta.

No ano passado, o sr. disse que os emergentes não souberam aproveitar a bonança das exportações de commodities e fizeram escolhas erradas no "capitalismo de Estado". O sr. pensava no Brasil?

O capitalismo de Estado no Brasil pode se ver pelo que aconteceu com a Petrobras, que embarcou em projetos caros que não eram viáveis. Políticas de conteúdo nacional excessivo e que dificultaram a participação de investidores de fora deram errado.

Elas abriram as portas para o protecionismo, a esquemas de propinas. Menos competição para conseguir contratos. Houve uma atmosfera que distorceu as decisões que fariam sentido para a empresa.

Sem esquecer do papel excessivo do BNDES no crédito, dos bancos estatais, das empresas estatais.

Mas o Brasil não é a Argentina nem a Venezuela.

Com a desaceleração, deixamos de correr o risco de uma bolha imobiliária?

Não vejo uma bolha imobiliária para estourar no Brasil. Há bolsões de algumas áreas urbanas com preços altos demais, que serão corrigidos. O crédito imobiliário ficará mais apertado. Mas é um país de população jovem, de uma classe média que ainda tem potencial para crescer, então a demanda por imóveis vai continuar.

O PIB dos EUA deve crescer acima de 3% em 2015 e 2016. É sustentável?

Os EUA estão crescendo acima do seu potencial, de uma economia já madura.

Há uma robusta criação de empregos -está chegando ao pleno emprego ainda neste ano- e o PIB deve crescer acima de 3%.

O Fed [banco central americano] foi bem mais agressivo que as autoridades no Japão ou que o Banco Central Europeu. O Fed deve esperar até setembro para aumentar os juros vagarosamente.

A consolidação fiscal e a recapitalização dos bancos com dinheiro público aconteceram em 2009 -na Europa levaram mais de cinco anos.

E os EUA têm uma economia e um setor privado mais dinâmicos. É mais fácil para contratar e demitir, há mais empreendedorismo, as indústrias do futuro estão aqui e o país está no meio de uma revolução energética, com energia e combustíveis cada vez mais baratos.

A desaceleração da China será suave e controlada, como diz o governo chinês?

Há visões extremas sobre a China, de pouso forçado ou suave.

Eu vejo um pouso com alguns solavancos, mas vai continuar crescendo acima de 5,5, 6% ao ano.

Não dá para continuar a crescer como antes, criando investimentos errados ou se endividando.

Eles precisam de mais consumo doméstico e criar milhões de empregos anualmente. Mas, com o envelhecimento da população, eles poderão crescer menos sem deixar desempregados.